Cartaz do curso

Lisboa, Biblioteca Municipal de Marvila
17 de Fevereiro
Segunda-feira, 9h30-12h30 e 14h-17h

Guimarães, Casa da Memória

23 de Março
Segunda-feira, 9h30-12h30 e 14h-17h

Nesta formação, procuraremos esclarecer conceitos e clarificar ideias, para mergulhar numa panóplia confusa de práticas. O que é mediar? O que é um serviço cultural? Mediar o quê? Para quem? Para quê? Como se promove acesso? É possível promover a fruição cultural? De que forma mediamos processos artísticos? E os públicos? Desenvolvem-se? Alargam-se? Conquistam-se? Perdem-se? Através da apresentação de casos de estudo e experiências comparativas, ambicionamos estender o horizonte do mediador, num exercício de constante inventividade.

Público-alvo
Profissionais da área da mediação cultural / serviços educativos

Valor de inscrição
Normal: €30
Estudantes/desempregados: €25
Associado Acesso Cultura: €20

Ficha de inscrição 

Nota biográfica
Inês Barahona é licenciada em Filosofia. Mestre em Estética e Filosofia da Arte pela Faculdade de Letras (Universidade de Lisboa). Fundou, em 2014, com Miguel Fragata, a companhia de teatro Formiga Atómica, onde co-criou os espectáculos “A Caminhada dos Elefantes” (2013), “The Wall” (2015), “A Visita Escocesa” e “Do Bosque para o Mundo” (2016) e “Montanha-Russa” (2018). Assina os textos da companhia. Trabalhou com Madalena Victorino, entre 2005 e 2008, no Centro de Pedagogia e Animação, do Centro Cultural de Belém, onde desenvolveu projectos de relação entre as artes, a educação e diferentes comunidades. Aí, foi co-autora do “Livro Escuro e Claro”, para a Direcção-Geral das Artes, cuja distribuição acompanhou, dando formação a equipas de serviço educativo e professores. Colaborou com Giacomo Scalisi na inauguração do Teatro Municipal de Portimão, em 2008, tendo sido responsável pelas relações com a comunidade. Colaborou ainda com outros artistas na escrita e dramaturgia: Madalena Victorino (“Caruma” e “Vale”), Giacomo Scalisi (“Teatro das Compras”), Teatro Regional da Serra de Montemuro (“Sem Sentido”), e Catarina Requeijo (“Amarelo”, “A Grande Corrida” e “Muita Tralha, Pouca Tralha”). Dá formação na área da escrita, comunicação e mediação.

Com o apoio de

Logo Bibliotecas de Lisboa

 

 

Logo A Oficina