Queer? Narrativas LGBT em museus portugueses

Cartaz do seminário

SEMINÁRIO
Queer? Narrativas LGBT em museus portugueses
com
Susana Gomes da Silva e Diana Lopes Pereira, Aida Rechena e Teresa Veiga Furtado
Convidado especial: Michael Langan (escritor)
8 Maio, Quarta, 18h-21h
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian (Sala do Educativo do Fundador, junto à Biblioteca de Arte)

Os museus são espaços de múltiplas leituras e múltiplas vozes, as colecções oferecem territórios de interpretação ricos e variados, os objectos são poderosos instrumentos para a construção (e validação) de narrativas, identidades, representações.

Na nossa conferência de 2018, “E este património? A presença LGBTQI+ no Ano Europeu do Património Cultural”, ficámos conscientes do pouco que sabemos sobre estas matérias, tanto em relação ao passado como em relação ao presente. Na altura prometemos que organizaríamos um encontro para conhecermos melhor o trabalho de dois museus portugueses: o Museu Calouste Gulbenkian, que aborda o património LGBT na visita “Narrativas queer na Colecção Gulbenkian”; e o Museu do Chiado, que em 2017 desenvolveu o projecto “Género na Arte”. Ambos estes trabalhos foram distinguidos com o prémio da ILGA Portugal.

A decisão de abordar o património queer na colecção Gulbenkian partiu de uma vontade grande de introduzir novos territórios de leitura e interpretação numa colecção que, aparentemente, pouco oferecia sobre o assunto. Partiu de uma convicção de que os objectos falam sobre quem somos e como nos vemos, e que é importante o exercício de encontrar as histórias não contadas por trás dos discursos habituais. O museu colocou a si próprio o desafio de encontrar estes percursos de invisibilidade, silêncio e contestação num património que parecia não ter qualquer relação com o tema.

O projecto “Género na Arte: Corpo, Sexualidade, Identidade, Resistência” levou também as questões LGBTQI+ para um museu centenário, o Museu do Chiado. As curadoras irão partilhar a sua reflexão sobre o processo de construção do projecto, sobre os aspectos teóricos (museológicos e da história da arte) e as implicações sociais e artísticas no âmbito museal e na gestão de museus.

Ficha de inscrição
Preço único: €10

APOIO

Logo da Fundação Calouste Gulbenkian

 

 

 

NOTAS BIOGRÁFICAS

Aida Rechena: Doutora em Museologia pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias com a tese “Sociomuseologia e Género. Imagens da Mulher em Exposições de Museus Portugueses” (2011),  Mestre em Museologia (Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (2003),  especializada em Arqueologia (Universidade Autónoma de Lisboa, 1993) e licenciada em História (Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, 1985). A linha dominante da sua investigação é “Sociomuseologia”, “Museologia de Género” e “Comunicação Inclusiva em Museus”. Tem vasta experiência em curadoria de exposições, no desenvolvimento de programas museológicos e museográficos, na gestão de colecções museológicas e na gestão de museus. É actualmente Museóloga na Direcção-Geral do Património Cultural.

Diana Lopes Pereira é Mediadora cultural. Licenciada em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (2005-2008), com uma pós-graduação em Jardins Históricos pela University of Greenwich (2010) e mestrado em Museum Studies pela University of East Anglia (2011). Desde 2013 que integra o Serviço Educativo do Museu Calouste Gulbenkian e em 2016 ficou responsável pela área de adultos. Para além da mediação e programação educativa para adultos, implementa projectos de continuidade com grupos específicos, entre os quais Entre Vizinhos, projecto com a comunidade sénior da freguesia das Avenidas Novas.

Susana Gomes da Silva: Licenciada em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa em 1994 enveredou pela área da educação nos museus em 2000 com uma pós-graduação em Museologia e Educação pela Universidade de Barcelona (Espanha, 2000) e uma especialização em educação e comunicação em Museus pela Universidade de Leicester (Inglaterra – 2004). Desde 2001 que desenvolve actividades profissionais na área da educação nos museus. É autora de várias publicações da especialidade e professora convidada em muitas instituições a nível nacional e internacional. Como actividade principal dirigiu de Julho de 2002 a Janeiro de 2017 o serviço educativo do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa), sendo actualmente a responsável de Educação do Museu Gulbenkian.

Teresa Veiga Furtado é artista, professora auxiliar no Departamento de Artes Visuais e Design da Escola de Artes da Universidade de Évora (UÉ), membro integrado do Centro de História de Arte e Investigação Artística da UÉ e membro associado do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA FCSH). As suas áreas de investigação são a Arte Multimédia e os Estudos de Género. Licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Mestre em Printmaking pelo Royal College of Art, em Londres e Doutorada em Sociologia na NOVA-FCSH intitulada “Videoarte de Mulheres: Nossos Corpos, Nós Mesmas. Corpo, Identidade e Autodeterminação nas Obras de Videoartistas Influenciadas pelos Feminismos”. Foi curadora e organizadora de vários projectos, entre eles, a mostra “Vídeo e Género” no âmbito do ciclo “Gender Trouble”, no Teatro Maria Matos, e da mostra “Género na Arte. Corpo, Sexualidade, Identidade, Resistência”, no Museu do Chiado.