PAC2022_s

Ex Aequo
Prémio Acesso Cultura – acesso integrado (físico-social-intelectual)

 

Associação Cultural Terra Amarela – Plataforma de Criação Artística Inclusiva


Um projeto que se distingue por ter na sua essência e missão o acesso enquanto princípio e condição.

Actua não só na acessibilidade de um modo integrado (física, psicológica e socialmente), como também com diferentes dimensões: da formação profissional, empregabilidade, e na mudança estrutural da relação entre a prática teatral e a diversidade de necessidades e expectativas dos artistas e públicos que habitam a contemporaneidade.

Sendo assim, atribuímos o prémio de acessibilidade integrada, por se diferenciar nas boas práticas evidenciadas na promoção consistente e sustentável do acesso à cultura. Ao distinguir este projecto, o júri visa o reconhecimento público desta entidade nas práticas exemplares da promoção do acesso à cultura.

Casa da Música – Ao alcance de todos

Um festival que utiliza a vivência da música como o veículo principal de inclusão social e geração de oportunidades dentro do ambiente artístico. Através das suas actividades artísticas, tem explorado o som, o movimento, a interpretação e navegado entre diversas áreas performativas, promovendo encontros sociais, vivências criativas, interpares, intergeracionais e inclusivas. Tem-se desenvolvido continuamente ao longo de mais de 10 anos, construindo um legado feito de história e tecendo relacionamentos musicais entre artistas, participantes, educadores, comunidade, publico, companhias e associações. O projecto distingue-se pela originalidade na forma como são concebidas e realizadas as suas propostas artísticas; pela utilização da acessibilidade como ferramenta de expansão de diálogos criativos e sociais; pelo reconhecimento de uma diversidade de frentes, gentes e abordagens performativas; pela sustentabilidade firmada ao longo da sua história e pela integração activa do individuo, independentemente da sua condição física, intelectual ou social.

Conceitos como a acesso, a inclusão e a equidade e valores como o diálogo, a sustentabilidade e o respeito pelo outro devem marcar tanto os projectos específicos de uma organização cultural, como toda a sua forma de estar e de gerir as diferentes áreas que compõem o seu trabalho.

A CRESAÇOR –Cooperativa Regional de Economia Solidária, CRL
Prémio Acesso Cultura – acesso social e intelectual

O trabalho desenvolvido pela Cooperativa CRESAÇOR distingue-se fortemente pela proximidade e diversidade de públicos.

É disso exemplo o seu projecto “Cultura à Porta – Plataforma Itinerante de Inclusão pela cultura”, que possibilita o acesso à Cultura de diferentes pessoas em situação de exclusão social na Ilha de S. Miguel. Revela um percurso consistente, através de uma larga rede de parcerias, promovendo não só o desenvolvimento como também a sustentabilidade das práticas de acessibilidade Social e Intelectual. Ao distinguir este projecto, o júri visa o reconhecimento público desta entidade nas práticas exemplares da promoção do acesso à cultura.

Museu Nacional Ferroviário – Wellcome all
Prémio Acesso Cultura – acesso físico e intelectual

Ao premiar o Museu Nacional Ferroviário, pretendemos valorizar e realçar o empenho e esforço da gestão e da equipa do museu em reajustar o espaço e as condições físicas de acolhimento, tal como os meios de comunicação, com o seu público, valorizando a autonomia e equidade no reconhecimento e integração da diferença.

Com o projecto Wellcome All, o Museu criou um website acessível onde a visita ao espaço e colecções pode ser preparada previamente pela consulta do percurso acessível (dado através de plantas criteriosamente informativas das condições de circulação, assim como da colecção exposta). São indicados todos os meios facilitadores de acolhimento e exploração do espaço individualmente ou acompanhado, que incluem plataformas elevatórias de acesso próximo às carruagens, comunicação através de audioguias com tradução em diferentes línguas e Língua Gestual Portuguesa e Audiodescrição.

Com a intenção de alargar idênticas condições a todos os núcleos da Rede Nacional de Museus Ferroviários, o Museu Nacional Ferroviário capacita-se a ser um agente de mudança a nível nacional.

AMPLA – Mostra de cinema
Prémio Acesso Cultura – acesso físico e intelectual

A Mostra de cinema Ampla, realizada pela Associação Cultural Horta Seca, foi pioneira na concepção de uma programação de cinema independente, em 10 sessões, criando as condições para um acesso universal a todo o público interessado. O trabalho de preparação feito em conjunto com associações parceiras (Fundação LIGA, Associação Cultural de Surdos da Amadora, Bengala Mágica – Associação de Pais e Amigos, Familiares de Crianças, Jovens e Adultos Cegos e de Baixa Visão, e APPDA Lisboa – Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo) envolveu pessoas com deficiência desde o início, numa perspectiva de inclusão e participação. O projecto contemplou a acessibilidade no espaço físico, em colaboração com a equipa da Culturgest, assim como a formação de toda a equipa de frente de sala. Foram realizadas duas sessões descontraídas e todas as sessões contaram com audiodescrição pré-gravada, interpretação em LGP pré-gravada e legendagem para S/surdos. Distingue-se assim a relevância da inclusão de pessoas sujeitas a exclusão por condicionantes físicas ou intelectuais, pela primeira vez numa programação dedicada ao cinema.

Associação Dança de Leiria – Companhia Corpo
Menção honrosa – acesso físico

A Corpo Companhia de Dança tem na sua missão a promoção de oportunidades profissionais e formativas na área da Dança contemporânea, tendo como abordagem o acolhimento da diversidade de corpos (fisicalidades, linguagens) e contextos sociais. Tem na sua génese o desejo de cooperar para uma expansão de práticas inclusivas a nível local e nacional. O Júri atribui a menção honrosa por reconhecer a integração activa dessas pessoas, a valorização da liberdade individual criativa de cada participante, tendo como premissa a excelência artística das criações e da oferta formativa em Dança.

Cassandra
Menção Honrosa

Uma estrutura de criação artística jovem, com interesse em acolher uma diversidade de públicos, ao mesmo tempo que permite um lugar individual de fala. Nos seus projectos transparecem o diálogo com a diversidade e com o acesso, do palco ao público, do presencial ao digital, e o espaço gerado de discussão e pensamento que torna visível questões laborais referentes ao trabalho do artista em território português; o trabalho e a observação do trabalho, a voz individual e colectiva. A menção honrosa vem no intuito de valorizar os potenciais deste projeto e contribuir para uma presença contínua no tecido cultural nacional.

O Júri: Graça Santa-Bárbara, Marta Silva, Mickaella Dantas