Prémio Acesso Cultura: o troféu

Imagem do troféu

Este é o primeiro ano em que a Acesso Cultura vai entregar um troféu aos vencedores do Prémio Acesso Cultura.

A resposta do artista visual Xana ao nosso convite para desenhar o troféu foi imediata e muito generosa. Este é constituído por três peças que se relacionam, simbolizando a acessibilidade integrada à cultura, nos termos definidos pela nossa Associação, evocando tripartidamente a acessibilidade física, social e intelectual.

A forma circular (azul) pode ser relacionada com um círculo comunitário, com o mundo, no fundo, com a componente social.

A forma ondulada (vermelho) está relacionada com a organicidade da liberdade intelectual.

A forma paralelepipédica (preto) evoca a estrutura física dos indivíduos, dos edifícios, etc.

A audiodescrição do troféu foi feita por Anaísa Raquel, com correcção e aprovação de Norberto Sousa. A captação e edição de som é de João Zina. Podem ainda ter acesso ao guião.

O troféu foi desenvolvido e produzido com o apoio do FABLAB LISBOA

 


XANA
Uma breve nota biográfica

Xana nasceu em Lisboa em 1959. Licenciado em Artes Plásticas pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa em 1984, ano em que passou a residir em Lagos no Algarve. Desde 1995, desenvolve nessa cidade, com outros artistas, o projecto LAC – Laboratório de Artes Visuais. É co-autor do projecto de Licenciatura em Artes Visuais da Universidade do Algarve, onde é professor convidado desde 2004.

Como artista visual, realizou desde 1981 diversas exposições, cenografias ou intervenções em espaços públicos. Em 2005, a Culturgest, em Lisboa, apresentou uma selecção antológica das suas obras, intitulada “Arte Opaca e Outros Fantasmas”.

Nos últimos anos tem centrado o seu trabalho artístico na criação de instalações/construções temporárias de arte pública. Nesse âmbito destaca-se a construção, em 2009, de um grande “Arco do Triunfo” no Passeio de Gràcia em Barcelona. Apresentou em 2010, nos jardins da Fundação Calouste Gulbenkian, a instalação “Assembleia”, integrada na exposição “Res Publica”. Em 2012, realizou no Museu do Chiado a instalação “Nova Assembleia e algumas próteses”.

Na primavera de 2012, construiu no Parque de Escultura Contemporânea Almourol, Vila Nova da Barquinha, a intervenção escultórica “Uma Casa no Céu”. Realizou a instalação “Amor Libera Lux” no âmbito da iniciativa “Vicente’ 2013” em Belém, Lisboa. Em 2016, realizou intervenções no espaço público do Algarve, em Mexilhoeira (Portimão), Messines (Silves), Alte (Loulé) e Alportel, no âmbito do projecto “Watt?” (org. LAC e Fundação EDP).

Xana está representado em diversos museus e colecções públicas, nomeadamente: Museu de Serralves no Porto, Kunstlerhaus-Musonturm em Frankfurt, Fundação Luso-Americana e Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa.

Regressar ao Prémio Acesso Cultura 2017.

Anúncios