Notas biográficas

Cartaz da conferência anual

NOTAS BIOGRÁFICAS
Voltar à Conferência Anual

ÂNGELO MERAYO
Formado em filologia portuguesa e didáctica de línguas. Participa, desde muito jovem, em diferentes movimentos sociais e culturais. Desenvolve a sua actividade profissional no âmbito da tradução, do ensino do português e do espanhol como línguas estrangeiras e actualmente participa, como co-autor, na edição de um manual. Em Julho de 2015 integrou a equipa do Conselho Português para os Refugiados, parceiro estratégico do ACNUR em Portugal,  como formador de português e coordenador de um projecto de artes visuais para jovens refugiados, no âmbito do programa PARTIS da Fundação Calouste Gulbenkian.

CÉLIA SOUSA
Doutorada em Ciências da Educação, Especialidade Comunicação pela UNEX. Coordena desde 2006 o Centro de Recursos para a Inclusão Digital (CRID), do IPLeiria. Leciona na ESECS do IPLeiria. É Investigadora do Centro de Investigação Inclusão e Acessibilidade em Ação (iACT). É membro efectivo da Sociedade Portuguesa de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade (SUPERA). Na última década tem desenvolvido projectos nas áreas das Tecnologias de Apoio e da Comunicação Aumentativa. É autora e co-autora em diferentes publicações nacionais e internacionais nas áreas das Tecnologias de Apoio, Comunicação Aumentativa e Educação Especial. Recebeu em 2007 o Troféu Afonso Lopes Vieira, na Categoria de Comunicação pelo Semanário Região de Leiria. Recebeu em 2015 o Prémio Iniciativa de Alto Potencial em Inovação e Empreendedorismo Social, com o Projeto de Leitura Inclusiva Partilhada (PLIP), e Projecto Mil brinquedos Mil Sorrisos, pelo Mapa de Inovação e Empreendedorismo Social (MIES). Como hobby, escreve histórias infantis.

CRISTINA PERPÉTUO
Iniciou o seu percurso laboral no Museu de Évora em Outubro de 2001, através de concurso externo para os quadros do museu, a desempenhar funções de vigilante, recepcionista e atendimento na loja. Nos meses de Setembro e Outubro de 2008, teve formação em Acolhimento e Vigilância nos Museus e Palácios do IMC. Em 2010-2011, por sugestão do Director António Camões Gouveia e indo ao encontro de um desejo seu por realizar, concorreu à Universidade de Évora e entrou no curso de Línguas Literaturas e Culturas, na variante de Literaturas e Artes, tendo finalizado com aproveitamento em 2013. Em 2015 foi-lhe proposto iniciar uma nova tarefa, a realização de visitas guiadas a grupos que visitassem o museu.

DÁLIA PAULO
Museóloga e Gestora Cultural. Comissária do Programa “365 Algarve”, integra o gabinete do Secretário de Estado da Cultura. Dirigiu o Museu Municipal de Loulé e foi Directora de Departamento de Desenvolvimento Humano e Coesão e Chefe de Divisão de Cultura e Património da Câmara Municipal de Loulé. Presidente da Direcção da Acesso Cultura no triénio 2016/2019. Membro da Direcção da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM no triénio 2014/2017. Mestre em História da Arte Portuguesa pela Universidade do Algarve. Pós-graduada em Arqueologia Romana e Licenciada em História Variante de Arqueologia pela Universidade de Coimbra. Foi Directora Regional de Cultura do Algarve de 2009 a 2013. Foi Directora do Museu Municipal de Faro (2002 a 2009) e Directora da Revista MUSEAL de 2006 a 2009. Foi uma das ideólogas e fundadoras da Rede de Museus do Algarve (2007) e da Rede AZUL, de Teatros do Algarve (2016). Especialista convidada da Universidade do Algarve em diferentes Mestrados e Faculdades.

DANY LOUISE
Dany Louise é uma escritora obcecada com o uso preciso da língua. O seu trabalho centra-se nas artes visuais e na política cultural. Contribui regularmente com críticas, apresentações e trabalhos de pesquisa para pubçicações como The Guardian, New Statesman e a-n Notícia Art. O seu livro The Interpretation Matters Handbook explora a escrita produzida por galerias de arte para informação dirigida ao público a partir de várias perspectivas e apresenta uma avaliação crítica das razões porque falha tantas vezes o alvo. Dany já trabalhou para o Arts Council of England e neste momento trabalha com organizações culturais em projectos estratégicos, inclusive aconselhando-as sobre a forma de comunicar melhor a sua identidade aos visitantes. Leccionou em três universidades do Reino Unido e a sua Tese de Mestrado teve como tema as bienais de arte e a política pública.

FILIPA OLIVEIRA
Directora artística do Fórum Eugénio de Almeida desde Janeiro 2015. Trabalhou como curadora independente desde 2003, comissariando várias exposições individuais e de grupo em instituições como o Centro Cultural de Belém (Lisboa), Kettle’s Yard (Inglaterra), John Hansards Gallery (Inglaterra), Tate Modern (Inglaterra), Centro de Arte Moderna (Lisboa), Fondation Calouste Gulbenkian (França), Crac Alsace (França), Kunstverein Springhornhof (Alemanha), Mead Gallery (Inglaterra), Frieze Projects (Inglaterra), entre outras. Foi guest curator em 2009/10 da série de exposições Portuguese Wave no Threshold Artspace, Escócia; foi curadora assistente na 28ª Bienal de São Paulo em 2010 e em 2012 foi curadora convidada do projecto Satellite no Jeu de Paume, Paris onde comissariou exposições individuais de Jimmy Robert, Tamar Guimarães, Rosa Barba e Filipa César. Tem uma extensa lista de participações em catálogos e publicações, e actualmente é colaboradora da ArtForum.

IOLANDA PEREIRA
Licenciou-se em Arquitectura, pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias em 2012. Em 2014, terminou uma pós-graduação na Faculdade de Letras (Lisboa), em História da Arte e Teoria do Restauro e, em 2015, prestou provas para o Mestrado em Museologia e Museografia, pela Faculdade de Belas-Artes de Lisboa. Actualmente frequenta o doutoramento em História, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e é investigadora do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, onde investiga a área do mercado da arte nacional durante as décadas de 1940 e 1950.

JOANA LOBO ANTUNES
Coordenadora do Gabinete de Comunicação do ITQB NOVA, instituto de investigação científica da Universidade Nova de Lisboa, onde é responsável pela comunicação da ciência que ali se produz, pela concepção de eventos de divulgação científica, pela comunicação através das redes sociais e contacto com os media. Interessa-se por compreender a eficácia da linguagem científica usada e do impacto dos eventos junto do público alvo. É também professora em técnicas de comunicação de ciência, nomeadamente uso de storytelling e improvisação teatral para a ciência, e de uso das redes sociais como ferramentas de difusão de ciência. Já foi Directora do Centro Ciência Viva de Sintra, é fundadora da rede de comunicadores de ciência portugueses SciCom.Pt, é licenciada em Ciências Farmacêuticas e doutorada em Química Orgânica.

JOANA MOSCOSO
Co-fundadora da Native Scientist, empresa sem fins lucrativos que junta crianças e cientistas portugueses no estrangeiro. Joana é também investigadora na área da microbiologia, onde tenta perceber como as bactérias causam infecções. Nos últimos 5 anos, desenvolveu inúmeras actividades na área da comunicação de ciência e este seu trabalho já foi distinguido três vezes: recebeu os prémios em comunicação de ciência em 2012 pelo Imperial College London, em 2014 pela Society for General Microbiology e em 2015 pela Royal Society of Biology. É fluente em 3 línguas e adora viajar. Já viveu na Suécia, na Austrália e no Reino Unido.

JOANA SOUSA MONTEIRO
Museóloga, Directora do Museu de Lisboa desde Fevereiro de 2015. Foi assessora da Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa para a área dos museus e do património, onde coordenou o grupo de trabalho para a rede de museus municipais e colaborou nas áreas das políticas públicas de museus e património, da programação e da gestão de projectos museológicos. Foi Coordenadora-adjunta da Rede Portuguesa de Museus no Instituto Português de Museus. É licenciada em História, variante História da Arte, pós-graduada em Museologia, e pós-graduada em Gestão e Empreendedorismo Cultural e Criativo. É membro da direcção da Comissão Nacional Portuguesa do Conselho Internacional de Museus-ICOM (ICOM Portugal) e membro da direcção do Comité Internacional de Museus de Cidade do ICOM (CAMOC).

JOSÉ ALBERTO RIBEIRO
Licenciado e mestre  em História de Arte (1993 e 2003, FLL, UL), com Pós-Graduação em Gestão e Empreendedorismo Cultural e Criativo (2009 -ISCTE/BUSINESS SCHOOL – INDEG). Assistente Convidado do Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa (2002-2010). Director do Palácio Nacional da Ajuda desde Maio de 2013. Director da Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves de 2006 a 2013. Presidente do ICOM Portugal desde Março de 2014. Coordenação na organização de exposições realizadas na Comissão Nacional dos Descobrimentos Portugueses, Câmaras Municipais de Vila Franca de Xira e Lisboa, Galeria de Pintura do Rei D. Luís, na Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves e no Palácio Nacional da Ajuda.

MARIA VLACHOU
Consultora em Gestão e Comunicação Cultural. Directora Executiva da  Acesso Cultura. Autora do blog Musing on Culture (e do livro homónimo), onde escreve sobre cultura, gestão e comunicação cultural, públicos, acesso. Gestora da página de Facebook Museum texts / Textos em Museus e co-gestora do blog Museums and Migration. Foi Directora de Comunicação do São Luiz Teatro Municipal (2006-2012) e Responsável de Comunicação do Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva (2001-2006). Membro dos corpos gerentes do ICOM Portugal (2005-2014) e editora do seu boletim. Colaborou com a Fundação Calouste Gulbenkian, o Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva, a Comissão Cultural da Marinha, entre outros. Alumna do DeVos Institute of Arts Management at the Kennedy Center for the Performing Arts (Washington, 2011-2013); Mestre em Museologia pela University College London (1994).

MARTINE GOSSELINK
Desde 2009, Martine é Directora do Departamento de História do Rijksmuseum. Para o novo Rijksmuseum, foi responsável pelo desenho do percurso histórico em geral, e em particular pelas alas das Colecções Especiais e do século XVII. Está actualmente a gerir projectos como: a anual Noite de História; The Landenreeks, uma série de oito livros sobre a relação entre as antigas colónias e os Países Baixos; o Livro de 250 retratos; a exposição Boa Esperança? A África do Sul e os Países Baixos desde 1600 (2017).

RAQUEL BARATA
Licenciada em Biologia, com experiência profissional em Educação Ambiental desde 1997 e Ph.D em Psicologia (ISCTE-IUL, 2013) sobre os factores que contribuem para a promoção de atitudes e comportamentos pró-ambientais. A sua investigação integra a avaliação de iniciativas de educação ambiental de acordo com a metodologia de aprendizagem aCtiva no ensino das ciências (IBSE – Inquiry-based Science Education). É autora de comunicações internacionais e de publicações científicas nestas temáticas. É formadora creditada de professores do ensino básico e secundário, orienta estágios curriculares e co-orienta projeCtos de mestrado para a disseminação da metodologia IBSE. Coordena o Serviço de Comunicação e Imagem e o Serviço de Educação e Animação Cultural do Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC) e o desenvolvimento de projCetos europeus (H2020) no âmbito da Educação em Museus, ao nível da candidatura, coordenação e execução.

SANDRA FISHER MARTINS
Sandra Fisher-Martins é Chief Clarity Officer da Claro, uma empresa de consultoria e formação que introduziu em Portugal o conceito de linguagem clara e que, desde 2007, ajuda as empresas e instituições portuguesas a comunicar de uma forma mais clara. Sandra interessa-se pelo uso da linguagem clara e do design de informação como forma de ajudar os cidadãos a tornar decisões mais informadas acerca da sua saúde, educação, bem- estar e direitos cívicos. Os seus clientes incluem organismos do sector público – como a Segurança Social, a Presidência do Conselho de Ministros e a Autoridade Nacional para a Segurança Rodoviária – e empresas privadas, principalmente do sector financeiro e das telecomunicações. Fez parte da direção da PLAIN (Plain Language Association International) e do International Plain Language Working Group, um grupo de especialistas em linguagem clara que definiu standards para a prática desta profissão.

SANDY GAGEIRO
É jornalista na redacção da Antena 1 e Antena 3 e responsável pela rubrica Lilliput (sobre livros infantis) na Antena 2. Iniciou-se com a rádio pirata, depois escolar e universitária. Passou pela Rádio Paris-Lisboa, foi jornalista na Rádio Expo, TSF e TSFOnline. Publicou textos na Ícon, Pública, Combate, Quadrado e Vírus. Foi editora/redactora da Zundap –  Veículo Cultural Ilustrado. Colaborou no programa Câmara Clara da RTP 2. Realiza – quando pode – oficinas de rádio para crianças e jovens. Colaborou com a APF – Associação de Planeamento da Família. Coordenou o livro «5 anos da Sardinha em Lata», edição comemorativa da produtora de cinema de animação.

Voltar à Conferência Anual