NOVAS DATAS A ANUNCIAR

Actualmente, graças à contínua promoção da acessibilidade e da legislação em vigor, os profissionais do sector cultural têm maior consciência da existência de barreiras físicas no acesso aos espaços culturais. É certo, também, que a reflexão sobre a acessibilidade não vai muito além da questão física e, no caso desta, não vai além da necessidade de haver rampas e casas de banho adaptadas.

Num sector que se habituou a pensar e a afirmar que em Portugal não existe interesse pela cultura ou que os Portugueses são pouco cultos, é urgente que os agentes culturais passem a ter uma visão mais holística do que constitui “acessibilidade” e tenham consciência das barreiras, sociais e intelectuais, que os próprios criam no acesso à cultura.

Formadoras
Ana Braga ou Maria Vlachou

NOTAS BIOGRÁFICAS

Ana Braga é museóloga. Faz parte da Direcção da Acesso Cultura, desde 2014, porque acredita que a participação cultural é um direito fundamental e essencial a todos os cidadãos e a uma democracia plena e saudável. Colabora em diversos projectos da Acesso Cultura (elaboração de conteúdos para o website Cultura Acessível, coordenadora de parceria com Patrimonio.pt, coordenadora de formações internas para entidades culturais, facilitadora nas Jornadas “Além do Físico: Barreiras à Participação Cultural”, entre outros). Foi coordenadora de serviço educativo do Centro de Arqueologia de Almada. Desenvolveu trabalho na área dos sistemas de documentação e inventário em instituições como o Ecomuseu Municipal do Seixal ou o Instituto de Higiene e Medicina Tropical.

Maria Vlachou é consultora em Gestão e Comunicação Cultural. Membro fundador e Directora Executiva da Acesso Cultura. Autora do blog Musing on Culture (e do livro homónimo), onde escreve sobre cultura, gestão e comunicação cultural, públicos, acesso. Gestora da página de Facebook Museum texts / Textos em Museus e co-gestora do blog Museums and Migration. Foi Directora de Comunicação do São Luiz Teatro Municipal (2006-2012) e Responsável de Comunicação do Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva (2001-2006). Membro dos corpos gerentes do ICOM Portugal (2005-2014) e editora do seu boletim. Foi consultora do Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva e da Comissão Cultural da Marinha. Colaborou com os programas Descobrir e Próximo Futuro da Fundação Calouste Gulbenkian. Estagiou no Petrie Museum of Egyptian Archaeology e no Natural History Museum (Londres). Fellow e membro do ISPA – International Society for the Performing Arts (2018). Alumna do DeVos Institute of Arts Management at the Kennedy Center for the Performing Arts (Washington, 2011-2013); Mestre em Museologia pela University College London (1994); Licenciada em História e Arqueologia (Universidade de Ioannina, 1992).