Lisboa, Teatro Nacional D. Maria II
4 e 5 de Maio, 9h30-12h30 e 14h-17h

Porto, Teatro Carlos Alberto
25 e 26 de Maio, 9h30-12h30 e 14h-17h

Com Marco Paiva e Maria Vlachou

Em Portugal, especial atenção tem sido dada nos últimos anos ao acesso das pessoas com deficiência à oferta cultural. Com a implementação de serviços como a interpretação em Língua Gestual Portuguesa (LGP), a audiodescrição (AD) ou as sessões descontraídas (SD), vários (mais ainda poucos) espaços culturais e artistas procuram criar condições de acesso para que pessoas com necessidades específicas, assim como os seus familiares e amigos, possam juntos usufruir da oferta. Um outro aspecto, com menor expressão em Portugal, é aquele que procura incluir as pessoas com deficiência nas equipas dos espaços culturais ou programá-las como artistas. No entanto, quando a inclusão e a diversidade são vistas de uma forma mais holística, surgem múltiplas e diversas oportunidades criativas.

No que diz respeito à gestão cultural, nesta formação vamos conhecer melhor os serviços de acessibilidade e a sua implementação. Vamos, ainda, abordar outros aspectos da relação com o público, como a comunicação e o atendimento. Quanto às práticas artísticas, vamos reflectir sobre mentalidades, metodologias de trabalho, a  formação e integração de artistas com deficiência no mercado de trabalho.

Público-alvo
Pessoas que trabalham nas áreas de Gestão Cultural, Produção, Programação, Mediação Cultural, Direcção Artística

Valor de inscrição
Normal: €45
Estudantes/desempregados: €35
Associado Acesso Cultura: €30

Ficha de inscrição

Notas biográficas

Marco Paiva é licenciado em Teatro ‐ Formação de Actores pela Escola Superior de Teatro e Cinema. Pós-graduação em Empreendedorismo e estudos da cultura – Gestão Cultural ISCTE. Concluiu em 2008 o Curso Europeu de Aperfeiçoamento Teatral É́cole Des Mêtres, dirigido pelo encenador brasileiro Enrique Diaz (CIA dos Atores). É actor convidado da companhia mala voadora desde 2010. Tem vindo a colaborar como actor e
encenador em diversas estruturas, nomeadamente: o Teatro Nacional D. Maria II, Comuna Teatro de Pesquisa, O Bando, L.A.M.A – Laboratório de Artes e Media do Algarve, Culturgest, Casa da Música, Teatro Helena Sá e Costa, projeto Crinabel Teatro entre outros. Fundou em 2018 a TERRA AMARELA- Plataforma de Criação Artística Inclusiva, que desenvolve o seu trabalho em torno da cultura acessível e das práticas artísticas inclusivas.

Maria Vlachou é consultora em Gestão e Comunicação Cultural. Membro fundador e Directora Executiva da associação Acesso Cultura. Autora do blog Musing on Culture (e do livro homónimo), onde escreve sobre cultura, gestão e comunicação cultural, públicos, acesso. Foi Directora de Comunicação do São Luiz Teatro Municipal (2006-2012) e Responsável de Comunicação do Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva (2001-2006). Membro dos corpos gerentes do ICOM Portugal (2005-2014) e editora do seu boletim. Colaborou com os programas Descobrir e Próximo Futuro da Fundação Calouste Gulbenkian. Fellow e membro do ISPA – International Society for the Performing Arts (2018 e 2020). Alumna do DeVos Institute of Arts Management at the Kennedy Center for the Performing Arts (Washington, 2011-2013); Mestre em Museologia pela University College London (1994); Licenciada em História e Arqueologia (Universidade de Ioannina, 1992).