Missão

A Acesso Cultura promove o acesso – físico, social e intelectual – à participação cultural.

Declaração de utilidade pública

Visão

Tornar a diferença mainstream.

Princípios

  • Evitamos o “para todos” e o “especial”
  • Apoiamos a autonomia das pessoas
  • Insistimos sobre a qualidade dos serviços, não acreditamos em “melhor do que nada”

Objectivos

  • Colocar as questões relacionadas com o acesso – físico, social e intelectual – no centro da reflexão e da prática do sector cultural;
  • Contribuir para a preparação técnica dos profissionais da cultura em questões de acesso de forma a promover a mudança no terreno;
  • Promover o diálogo e a reflexão sobre as questões de acesso em fóruns públicos;
  • Intervir publicamente sempre que o direito de acesso à cultura e os direitos culturais das pessoas não sejam respeitados.

Acções

No sentido de cumprir sua missão e objectivos, a Acesso Cultura:

  • Organiza formações nas áreas ligadas ao acesso;
  • Realiza auditorias e consultorias técnicas em espaços culturais (em construção ou existentes), no sentido da promoção e aplicação dos princípios de acessibilidade e apoio na implementação das consequentes recomendações;
  • Organiza seminários, conferências e workshops, com o objectivo de criar um fórum de debate e de promoção de boas práticas;
  • Promove e participa no desenvolvimento de projectos de investigação, aplicada na área do acesso;
  • Participa em projectos que procurem promover a reflexão e as boas práticas relativas ao acesso;
  • Divulga notícias e estudos relativos ao acesso;
  • Procura estabelecer relações de cooperação com organismos congéneres, nacionais ou estrangeiros, ou outros que se revelem úteis à prossecução dos seus fins.

Definições

A verdadeira igualdade de oportunidades pressupõe um acesso:
Directo
Imediato
Permanente
O mais autónomo possível

Acessibilidade: Acessibilidade é dar acesso equitativo a todas as pessoas ao longo do contínuo da capacidade e experiência humanas. A acessibilidade ultrapassa os significados mais amplos de cumprimento e refere-se ao como as organizações abrem espaço para as características que cada pessoa traz (American Association of Museums).

Barreiras físicas: Obstáculos naturais ou artificiais (estruturais) que impedem a aproximação, transferência ou circulação no espaço, mobiliário ou equipamento urbano de pessoas com mobilidade condicionada.

Barreiras intelectuais: Barreiras que impeçam ou dificultem o usufruto pleno da oferta cultural por pessoas que: têm baixa literacia; não possuem conhecimento técnico e/ou científico especializado; têm deficiências ou limitações sensoriais – por exemplo, cegos, surdos; pessoas com défice de atenção; pessoas com deficiência intelectual; pessoas com condições do espectro autista; pessoas cuja primeira língua não é o português; entre outras.

Barreiras sociais: situações sociais que possam constituir motivo de dificuldade no acesso à participação cultural. Por exemplo: nível de escolaridade, iliteracia, desemprego, isolamento social, escassez de oferta cultural na zona onde uma pessoa reside, isolamento geográfico, cumprimento de pena judicial; entre outros.

Direitos culturais: Os direitos culturais protegem os direitos de cada pessoa, individualmente e em comunidade, bem como com grupos de pessoas, de desenvolver e expressar a sua humanidade, a sua visão de mundo e os significados que dá à sua existência e ao seu desenvolvimento por meio, entre outros, de valores, crenças, convicções, línguas, conhecimentos e artes, instituições e modos de vida. Os direitos culturais também podem ser considerados como uma protecção do acesso ao património cultural e aos recursos que permitem que tais identificações e processos de desenvolvimento ocorram (de acordo com a definição do Conselho dos Direitos Humanos, 2010)

Diversidade: Diversidade são todas as maneiras pelas quais as pessoas são diferentes e iguais a nível individual e de grupo. Mesmo quando as pessoas parecem iguais, são diferentes. A diversidade organizacional requer o o questionamento da composição de um grupo para garantir que múltiplas perspectivas sejam representadas (American Association of Museums).

Equidade: Equidade é o tratamento justo de todos os membros de uma comunidade. A equidade requer compromisso com as prioridades estratégicas, recursos, respeito e civilidade, bem como uma acção contínua e avaliação do progresso em direção ao cumprimento de metas específicas (American Association of Museums).

Inclusão: Inclusão é o esforço intencional e contínuo para garantir que diversos indivíduos participem totalmente de todos os aspectos do trabalho organizacional, incluindo processos de tomada de decisão. São também as maneiras como diferentes participantes são avaliados como membros respeitados de uma organização e/ou comunidade (American Association of Museums).

Participação cultural: participação em qualquer actividade que represente uma forma de uma pessoa aumentar a sua capacidade e capital cultural e informacional, o que ajuda a definir a sua identidade e/ou permite a expressão pessoal. Essas actividades podem assumir várias formas, tanto activas (como trabalhar no sector cultural ou ser voluntário numa organização cultural) como passivas (como assistir a um filme). Podem ocorrer por meio de uma variedade de canais formais ou informais, incluindo a internet (com base na definição da UNESCO, 2012).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s